Leia a Bíblia – 30 dias com os Salmos

O livro dos Salmos demonstra como podemos ter um relacionamento com Deus: Como ser honesto e estar aberto para expressar nossas emoções de forma bíblica e equilibrada. Ou seja, os Salmos são ideais para um momento devocional!

Ele também mostra a importância de refletirmos e meditarmos sobre coisas que Deus fez por nós e podem servir como uma orientação à adoração; Eles nos ajudam a expressar nossas preocupações, mesmo quando não termos mais forças ou capacidade.

Por este motivo, incentivamos você a ler e meditar nesta porção das Escrituras Sagradas por 30 dias, utilizando um plano de leitura temático como guia. Para aproveitar ainda mais esta leitura, preparamos também um pequeno estudo que irá lhe ajudar na interpretação deste livro tão valioso. Confira e empenhe-se em estudar a Palavra de Deus!

Guia de Interpretação

Composição do livro

O livro dos Salmos na verdade é uma coletânea de cânticos ou orações funcionais (poesia hebraica), que pode ser dividida em 5 livros, onde os salmos 1 e 2 foram colocados no início, como uma introdução ao todo, e os salmos 146-150 no fim, como uma conclusão:

  1. Salmos 1 – 41 (Livro 1)
  2. Salmos 42 – 72 (Livro 2)
  3. Salmos 73 – 89 (Livro 3)
  4. Salmos 90 – 106 (Livro 4)
  5. Salmos 107 – 150 (Livro 5)

Obs: Embora não seja comum, os Salmos também pode ser divididos em grupos menores, como salmos de Davi ou salmos de “Aleluia” (Sl 146-150).

A poesia hebraica e suas características

Os salmos eram cânticos ou orações funcionais, compostos pelos israelitas antigos para uso no culto – por esta razão não podem ser lidos da mesma forma que lemos as epístolas, narrativas ou seções da lei mosaica. O estilo literário possui peculiaridades, e precisamos estar atentos a elas para uma boa interpretação!

Por sua natureza, eram dirigidos à mente através do coração – no Israel antigo a poesia era amplamente apreciada como meio de aprendizagem. Sua intenção é apelar às emoções, e não fornecer um sistema doutrinário. Seu vocabulário é metafóricofigura de linguagem e cada Salmo deve ser considerado em sua totalidade, dentro do seu contexto, e não em versículos separados.

Eles possuem diversos tipos, cada um com suas próprias características estruturais e função na vida de Israel (veremos alguns deles no próximo tópico). Há também vários padrões dentro dos salmos, pois os salmistas com frequência fazem uso de certos arranjos ou repetições de palavras e sons.

“Cada Salmo deve ser considerado em sua totalidade, dentro do seu contexto, e não em versículos separados.”

Tipos de Salmos

Os Salmos podem ser categorizados em:

  • Salmos de lamentação – Maior grupo dos salmos, possuem lamentações individuais (Sl 22) ou coletivas (Sl 44). Expressam uma preocupação diante do Senhor.
  • Ações de Graças – Pensamentos e sentimentos de gratidão . Também individuais (Sl 18) ou coletivos (Sl 65).
  • Hinos de louvor – Louvor a Deus por causa de quem Ele é (Sl 8). Nos ajudam a cantar louvores (147.1).
  • História da salvação – Celebração da história e atos de Deus no meio do povo de Israel (Sl 78).
  • Sabedoria – Instruções acerca do caminho da retidão (Sl 36)
  • Cânticos de confiança – Nos ajudam a expressar a nossa confiança em Deus, seja qual for a circunstância (Sl 131).
  • Imprecatórios – linguagem veemente e violenta contra os inimigos e os malfeitores (Sl 69).

Fazendo a Exegese dos SalmosInterpretar minuciosamente um texto

Por serem poemas, os Salmos usam linguagem emotiva e devemos tomar cuidado para não exagerar na exegese e buscar sentido e significado diferente da itenção do autor inspirado.

Além disso, os salmistas usam um vocabulário metafórico, com propósito deliberado, a fim de expressar de modo enfático e vívido certas questões. Assim como acontece com outros gêneros literários, devemos tomar o cuidado de não impor ao Salmo um sentido que ele nunca teve.

Ao comparar com cuidado todos os salmos de lamentação, os estudiosos conseguiram isolar seis elementos que aparecem em todos eles em uma ordem típica: Destinatário, Queixa, Confiança em Deus, Clamor por Libertação, Certeza de Segurança e Louvor a Deus pelas bênçãos do passado, presente ou futuro.

Já os salmos de ações de graças têm uma estrutura diferente:

  • Introdução: resume o testemunho do salmista de como Deus o socorreu.
  • Aflição: a situação da qual Deus deu libertação é retratada.
  • Apelo: o salmista reitera o apelo que fizera a Deus.
  • Libertação: descreve-se a libertação que Deus proporcionara.
  • Testemunho: uma palavra de louvor a Deus por sua misericórdia.

Hermenêutica

A leitura, canto e oração dos Salmos não garantem uma vida sem dificuldades ou provações (O próprio rei Davi viveu uma vida cheia de tragédias e decepções). Entretanto, Deus sempre merece louvor, independente de que momento ou situação estejamos vivendo. Através dos Salmos somos ensinados a enfrentar as dificuldades e sofrimentos, assim como passar por momentos de alegria e louvor. O que o Livro de Salmos nos garante é que a vida daquele que lê/ora/canta os Salmos terá um final feliz, como garante o Salmo 150 e o livro de Apocalipse.

Exercícios para fixação

  1. Identifique de quais tipos são os salmos: 49, 107, 63, 100, 135 e 88.
  2. Leia o Salmo versículo 16 do Salmo 51 e responda a seguinte pergunta: Deus se agradava dos sacrifícios e holocaustos no Antigo Testamento? Agora leia todo o Salmo 51, e responda a mesma pergunta: Deus se agradava de sacrifícios e holocaustos no Antigo Testamento?
  3. O Salmo 51.5 nos mostra que ter filhos é pecado? Justifique sua resposta.
  4. Análise o Salmo 3 cuidadosamente e divida os seus versículos nos seis elementos dos salmos de lamentação: Destinatário, Queixa, Confiança, Libertação, Segurança e Louvor.
  5. Análise o Salmo 138 cuidadosamente e divida os seus versículos nos seis elementos dos salmos de ações de graças: Introdução, Aflição, Apelo, Libertação e Testemunho.

Links úteis

Pronto para começar a leitura?

Plano de leitura temático

  1. Benção – Salmos 67, 72, 84 e 128
  2. Clamando a Deus – Salmos 4, 5 e 22
  3. Certeza – Salmos 27, 36, 71 e 125
  4. Feitos de Deus – Salmos 9, 18 e 118
  5. Dúvida – Salmos 42, 73 e 77
  6. Fidelidade de Deus – Salmos 105, 119: 137–144, e 146
  7. Temor – Salmos 37, 49, 91
  8. Glória de Deus – Salmos 19, 24, 29
  9. Deus é ajudador – Salmos 54, 115 e 119:169–176
  10. Identidade – Salmos 8 e 139
  11. Justiça de Deus – Salmos 7, 26 e 82
  12. Meditação – Salmos 119:9–16 e 41–48
  13. Misericórdia – Salmos 13, 28 e 86
  14. Música – Salmos 6, 149 e 150
  15. Natureza – Salmos 50, 104, 147 e 148
  16. Paz – Salmos 23, 133 e 119:161–168
  17. Poder de Deus – Salmos 68, 93 e 135
  18. Adoração – Salmos 65, 98 e 138
  19. Oração – Salmos 17, 20 e 102
  20. Proteção – Salmos 59, 62 e 124
  21. Segurança em Deus – Salmos 11, 16, 142 e 46
  22. Alegria – Salmos 30, 47 e 97
  23. Retidão – Salmos 1, 15 e 112
  24. Salvação – Salmos 3, 14 e 121
  25. Pecado e arrependimento – Salmos 25, 32, 38 e 51
  26. Ações de Graças – 75, 106 e 136
  27. Confiança – 31, 40 e 56
  28. Vitória – Salmos 21, 76 e 144
  29. Sabedoria – Salmos 90, 107 e 111
  30. Adoração – Salmos 33, 34 e 145